fbpx

Autocobrança: 5 formas de controlar

Autocobrança: 5 formas de controlar

Tempos de quarentena, de refletir, olhar para dentro, e… produzir mais? É como muita gente enxerga esse período de isolamento e aquietamento obrigatório.

O fato é que o momento traz vários questionamentos e muitas vezes perdemos o controle das nossas ideias, o que pode se transformar em ansiedade, pressão e autocobrança.

Você ainda não conseguiu se entender com o home-office, aprender algo novo, treinar, estar com a família ou ajudar os vizinhos durante a quarentena? Primeiro de tudo: respire! Você não está sozinho nessa. Pressões – internas e externas – e ansiedade, infelizmente, são problemas recorrentes no dia de hoje, e sem sempre dependem dos acontecimentos do noticiário.
 

Por isso, separamos algumas dicas simples, mas fundamentais, para driblar a autocobrança durante este momento e em toda a sua vida:

 

01

Autoconhecimento

O autoconhecimento é uma manobra para controlar de forma efetiva muitos dos problemas que surgem na nossa vida. Isso porque, através dele, aprendemos a nos ouvir melhor, ou seja, conseguimos entender com mais clareza o que cada situação representa para nós, como nos sentimos em relação a ela e quais aprendizados podem ser extraídos dessa experiência.

Existem vários métodos: livros de autoajuda, meditação, journaling, yoga, terapia, etc, mas o segredo do processo de autoconhecimento é dedicar tempo a si mesmo. Seja correndo, cozinhando ou praticando qualquer atividade que te faça bem, procure sempre olhar para dentro, entender seus sentimentos e escutar o que você tem a dizer. Ouvir nossa voz interior na maioria das vezes nos traz as respostas que perdemos tanto tempo buscando do lado de fora!
 

02

Não às comparações

Não meça sua quarentena com a régua da quarentena alheia!

Se você tem entrado no Instagram, com certeza tem se deparado com um feed de pessoas que acordam cedo para treinar, comem de forma regrada e saudável, produzem o dia todo e tiram a noite para fazer tarefas com os filhos e cursos online de alemão e programação digital.

Mas já sabemos que as redes sociais apresentam apenas uma parte do todo, ou seja, não podemos tê-la como verdade e, principalmente, usá-la de exemplo para medir os resultados da nossa produtividade e da nossa rotina.

E isso vale mesmo para períodos de normalidade. É fundamental lembrar que as redes escondem uma boa parte do cotidiano de todos e, mais do que isso, que sua vida é única e não deve ser comparada com a de nenhum usuário que aparece no seu feed.
 

03

Pausa nas redes

As redes sociais são ferramentas incríveis de entretenimento, relacionamento e, claro, trabalho. Mas, puxando o tópico anterior, sabemos que muito do que está alí é mais utópico que real, o que, em momentos de pressão, pode ser a sementinha da ansiedade e da autocobrança.

Ainda assim, as redes sociais representam boa parte do nosso dia. Elas são o pano de fundo de quase todas as atividades que desempenhamos no dia a dia. Porém, além de todos os problemas físicos – nas mãos, na visão, nas costas… – esse uso também pode causar um problemão para a nossa mente. Por isso, que tal estipular pausas?

Procure desconectar por alguns momentos. Veja como funciona melhor para você: duas horas seguidas? dois intervalos de uma hora ao longo do dia? Faça testes, e resista! Você perceberá como criamos dependência e muitas vezes deixamos que as redes tenham nosso tempo muito mais do que o necessário – e aprenderá a aproveitá-lo de forma muito mais produtiva.
 

04

Pensamento coletivo

Todo problema tem milhares de vertentes e pode ser visto por diversas perspectivas coerentes. A depender de cada pessoa ou lugar, pode haver impactos maiores, menores, soluções complexas e entendimentos diferentes sobre uma mesma situação.

Colocar-se como parte do coletivo, portanto, é uma forma de aliviar a pressão interior. Ao enxergar um problema a partir da perspectiva de grupo, de comunidade, conseguimos entendê-lo, ressignificá-lo, e, quem sabe, solucioná-lo de forma mais consistente.

Aproveite a onda de videoconferências e converse, discuta e debata sobre o assunto com as pessoas que você ama. Ouvir novas visões e argumentos é sempre enriquecedor.

É importante lembrar que tudo traz uma razão e aprendizados. Mesmo aquilo que, no início, parece ruim, no futuro servirá como experiência para eventos positivos que acontecerão. Esse pensamento nos traz mais clareza e calma para aceitar – e aguentar – tempos mais complicados.
 

05

Criatividade

Nada melhor para refrescar a cabeça do que manter as ideias em movimento. Para isso, busque ser criativo.

Diferente do que muita gente pensa, a criatividade não é um talento, mas sim uma prática. Ou seja: ser criativo não significa, necessariamente, ter ideias inusitadas e projetos inovadores. Ser criativo é, simplesmente, estar sempre aberto para criar.

Criatividade tem a ver com mudança, inventividade, com desenvolvimento. Criar é um processo para a obra e para o criador: de aprendizados, ideias, progressos, erros e acertos. E os benefícios desse processo no nosso cérebro refletem em todas as esferas da nossa vida.

Sendo assim, invista em trabalhos manuais, escreva, desenhe, cozinhe, dance… Faça tudo aquilo que você sente desafiar e aquecer seus pensamentos. Crie novos hobbies! Quem sabe, mais pra frente, eles podem até virar fonte de renda!

E você? O que faz para driblar a ansiedade e a cobrança em tempos de pressões internas e externas? Compartilhe nos comentários, e, não se esqueça: respire!

compartilhe:


Um comentário em “Autocobrança: 5 formas de controlar

  1. Maria Telma S. Sousa on

    No momento estou anciosa pela a ajuda disponibilizada aos MEI. Não ta fácil Declarar Renda… Mas. Para conter minha anciedade estou enfeitando tiaras com flores de fita artezanal e atendendo encomendas de máscaras…a vesdade é que a anciedade vem sempre acompanhada de sonhos e mais sonhos…haja coração.

    Responder

Entre na conversa!

Deixe seu comentário ▽

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *